Crónica pós-jogo: Desp. Aves vs FC Porto

Primeiro jogo em 2019 para FC. Porto e Desp. das Aves e segundo da época entre as duas equipas, depois do jogo da supertaça, no estádio municipal de Aveiro, onde os Dragões venceram por 3-1 e arrecadaram o troféu. Se, por um lado, se pode dizer que ano novo é sinónimo de vida nova para os Dragões, visto que vinham de 4 jogos consecutivos a entrar a perder nas partidas e terem que fazer das tripas coração para fazer a remontada (algo que não se viria a verificar neste jogo), também podemos dizer que ano novo velhos hábitos, pois o campeão nacional deu continuidade ao que vinha fazendo. Continuando, assim, (passe a redundância) a só conhecer o sabor da vitória ao cabo de 17 jogos ininterruptos em todas as competições, aumentando ainda mais aquele que é um novo máximo absoluto no clube em 125 anos de História.

Na verdade, o FC Porto soma as seguintes vitórias consecutivas nas várias competições:

  • 4 vitórias na Liga Campeões;
  • 8 vitórias no Campeonato;
  • 3 vitórias na Taça Portugal;
  • 2 vitórias na Taça Liga.

Desp. Aves vs FC Porto

Engane-se quem, olhando para a classificação geral da Liga, pensou que hoje seriam favas contadas. A equipa avense, apesar de num modesto 17º lugar, tem qualidade para mais do que a sua posição pode refletir e, à imagem do que fez no último jogo para a taça da Liga (onde indubitavelmente merecia outro resultado), vendeu cara a derrota o que deu ainda mais valor a esta vitória dos azuis e brancos.

O FC Porto entrava em campo já a saber que poderia ganhar pontos a um dos seus mais diretos adversários, o Benfica, que tinha perdido no Algarve por 2-0 frente ao Portimonense e que, precisamente à mesma hora como consequência disso e como que a gota de água que fez transbordar o copo, apagou-se a luz (mas não, ainda não foi ligada a rega) que Vieira tinha visto e era divulgada a rescisão do técnico encarnado que fica agora livre para poder ir passar umas férias para as arábias.

No entanto, focada apenas em si e em fazer o seu trabalho, a equipa de Sérgio Conceição, que voltou ao sistema 4-4-2 (com as 2 lanças na frente Marega e Soares), cedo quis resolver o jogo e sinal disso foram as duas oportunidades finalizadas de cabeça por Tiquinho às quais Beunardeau, com duas estiradas fabulosas, se opôs tirando assim o pão da boca do avançado brasileiro e foi conseguindo assim adiar o inevitável.

O golo dos azuis acabaria mesmo por surgir, decorria o minuto 25, por intermédio de Militão que fez assim o seu segundo golo pelo FC Porto (primeiro no campeonato já depois de se ter estreado a marcar para a Liga dos Campeões). Resultado que se manteve até ao intervalo.

Segunda parte | Desp. Aves vs FC Porto

Na segunda parte, jogando em casa e sem nada a perder, o Aves foi subindo no terreno e tomando conta do jogo, mas sem criar ocasiões de perigo. Aliás, algo raro neste período de parte a parte. Tivemos mesmo que esperar pelo último minuto de jogo (minuto 95) para ver uma clara oportunidade de golo, desta feita para a equipa da casa, onde Nildo Petrolina de pé esquerdo e na cobrança de um livre direto, levou a redondinha a beijar a trave da baliza à guarda de Casillas. Terá sido estrelinha de campeão?

Os Dragões tiveram que e souberam sofrer, mas um campeão também é feito disto. Uma parte do jogo fato de gala outra fato de macaco e é muitas vezes nestes jogos que se conquistam campeonatos.

Gostou deste artigo? Por favor, compartilhe! E deixe o seu like no nosso Facebook! É muito importante para nós. Além disso, pode também, se desejar receber as crónicas em primeira mão, subscrever a newsletter (não fazemos spam).

[Total: 2    Average: 5/5]