Crónica pós-jogo: FC Porto vs Belenenses SAD

Na ressaca do jogo da Taça da Liga entre FCP e SCP (só com Penalties) deu… karma. Pode parecer chavão mas, porque nem sempre que se perde está tudo mal assim como nem sempre que se ganha está tudo bem, exemplo disso foi o que se passou na noite de ontem.

Após o desfecho da Taça da Liga em que, no meu entender, a haver um justo vencedor teria sido o FC Porto (que foi a única equipa que mostrou querer vencer e que fez por resolver o jogo nos 90 min), mas foi o sVARting que acabou por levar a taça. As ilações que tirei desse jogo foram que, quem joga com a mentalidade e da forma que a equipa de Alvalade jogou, é de equipa pequena como também pode resultar uma ou outra vez, mas não irá resultar sempre.

Contrariamente, quem joga com ambição e personalidade como os Dragões jogaram (e apesar de não terem feito um jogo brilhante), entrando em qualquer campo contra qualquer adversário para ganhar o jogo estará sempre mais próximo de o conseguir.

Jogo FC Porto vs Belenenses SAD

Foi precisamente isso que aconteceu… Já ia longo o dia (21.15h), a meio da semana após um dia de trabalho, numa noite gélida e chuvosa que, os mais corajosos e resistentes, se deslocaram ao estádio para demonstrar uma vez mais o seu apoio e que, apesar do último desaire, o mar azul continua com a equipa.

Ainda os jogadores do Sporting estavam perplexos quando se aperceberam que não iria haver desempate através da marca de grande penalidade (pois é, no campeonato os empatas podem mesmo empatar e perder pontos). E ainda nem todos tinham entrado no Dragão já o FC. Porto tinha inaugurado o marcador por intermédio de Brahimi (que deu sequência ao grande jogo que fez em Braga onde foi mesmo considerado o melhor em campo) após falha da defesa Belenense e recuperação de bola de Corona (que regalo ver jogar, que jogador está!) e posterior assistência exímia passou para o argelino atirar a contar.

O golo madrugador era o melhor que podia ter acontecido á equipa da casa pois adivinhava-se um jogo difícil frente aos azuis do Jamor e, por isso, este podia ter funcionado como uma espécie de abre-latas e catapultado os azuis e brancos para uma grande exibição. Certo é que principalmente a linha defensiva pareceu em alguns lances algo desconcentrada, talvez ainda à procura do melhor entrosamento entre os elementos deste setor após a entrada da Pepe para o onze inicial e a passagem de Militão para a direita (depois de a equipa já estar bastante rotinada com Militão no eixo defensivo), o que deu à equipa forasteira confiança tendo esta criado mesmo algumas oportunidades.

Diga-se, mesmo privado daquele que tinha sido o seu melhor jogador até ao momento (foi transferido neste mercado de inverno), se há coisa que esta equipa de Silas tem – mérito lhe seja dado – é identidade e princípios definidos, querendo sair a jogar apoiado e sabendo o que fazer quando tem a bola, tendo-o também já demonstrado nos dois jogos realizados anteriormente contra o FC. Porto.

Contudo, à meia hora de jogo os pupilos de Sérgio Conceição marcariam novamente num golo em que foram intervenientes os dois laterais portistas e os opostos se tocaram, Alex Telles cruzou e Militão cabeceou para o fundo da baliza.

Segunda parte | FC Porto vs Belenenses SAD

Após o intervalo e esperando uma reação por parte do Belenenses, o FC. Porto não se deixou surpreender e controlou o jogo a seu bel-prazer chegando mesmo ao 3º golo da contagem.

Numa altura em que os da cruz de cristo até tinham mais posse de bola. Óliver serviu de bandeja Soares que, neste seu regresso à equipa e aos golos, deu o melhor rumo á bola. Bola essa que sai sempre redondinha dos pés do menino, Óliver, que mostrou ter ultrapassado as incidências do último jogo.

Se há algo positivo nesta sobrecarga de jogos que temos tido ultimamente, é o facto de a cada três dias podermos assistir a jogos de futebol como de um género de Boxing Day se tratasse. Como o campeonato não para, daqui a 3 dias os Dragões terão uma sempre difícil deslocação a Guimarães e assistiremos a um sempre escaldante dérbi lisboeta onde um ou os dois candidatos ao título perderá pontos na caminhada e poderá ver o mais direto rival distanciar-se ainda mais.

Referente ao Óliver

Após ter sido moldado por Conceição está cada vez mais completo e mostra estar mais maduro, aliando a sua técnica natural à parte mais física do jogo, com mais intensidade e cada vez mais envolvido nas ações defensivas recuperando bolas e saindo de trás com a mesma jogável ou fazendo passes (longos variando o flanco) e não só na parte ofensiva.

De facto, este jogador faz cada vez mais lembrar outro nº 10 que passou pelo Porto e que fintava com os dois pés e que era “melhor” que o Pelé!

Gostou deste artigo? Por favor, compartilhe! E deixe o seu like no nosso Facebook! É muito importante para nós. Além disso, pode também, se desejar receber as crónicas em primeira mão, subscrever a newsletter (não fazemos spam).

[Total: 3    Average: 5/5]